ViuAkiSite

Latest Post

Conspiração: O tsunami de 2004 não foi um desastre natural

Para conspirólogos, interesses sombrios provocaram a tragédia que devastou o Sudeste Asiático e comoveu o mundo no Natal de 2004


1) Onda de sangue
Em 26 de dezembro de 2004, um terremoto de 9,1 graus na escala Richter ao norte da Indonésia provocou o maior tsunami da história recente. Ele causou mais de 230 mil mortes em 13 países. Só na própria Indonésia, matou 40 mil pessoas e deixou outras 2 milhões desabrigadas. Geólogos afirmam que o abalo sísmico foi natural, mas alguns conspirólogos têm outras teses…

Instalações do controverso e conspiratório "Projeto Haarp"
2) Controle remoto
Fundado em 1993 nos EUA, o Projeto Haarp pesquisa como melhorar as transmissões de ondas de rádio nas camadas mais altas da atmosfera. Mas, segundo os teóricos da conspiração, suas antenas de alta frequência poderiam modificar a massa de ar que protege o planeta. Isso causaria grandes alterações nas condições de temperatura e pressão, desencadeando as ondas gigantes

3) O abalo salvou a Terra
Anos após a tragédia, circulou um e-mail dizendo que o terremoto que causou o tsunami foi criado artificialmente por ogivas nucleares de um submarino dos EUA naufragado no Oceano Índico desde 1978. O país detonou esses explosivos para causar uma alteração no eixo da Terra, salvando o planeta da colisão com um asteroide que chegaria por aqui em março de 2014

A culpa foi da Índia

Segundo o tabloide egípcio Al-Usbu, a tragédia foi fruto de uma série de testes nucleares secretos promovidos pela Índia, contando com a ajuda dos EUA e de Israel. De acordo com o jornal, as explosões aconteciam em áreas desertas, a centenas de quilômetros das áreas povoadas, mas seu impacto foi tão grande que conseguiu desencadear as ondas gigantes

O petróleo, sempre ele!

Na época, a boataria online dizia que intervenções de empresas petrolíferas britânicas na região poderiam ter causado o desastre. Supostamente, elas utilizariam perfurações horizontais em ângulos de 90º, que aumentariam a vazão do óleo produzido, mas também poderiam afetar as placas tectônicas. Depois da catástrofe, essas companhias encobriram todas as evidências

4) Vingança molhada
A Indonésia abriga a maior população islâmica do mundo. Foi o suficiente para muitos alegarem que os EUA haviam testado armas de destruição em massa, como retaliação pelos ataques de 11 de setembro de 2001. A principal prova seria a de que a base militar norte-americana na região, Diego Garcia, sofreu poucos danos



EXPLICANDO A VERDADE

Ciência e história não corroboram a tese do tsunami “sob encomenda”

– Vários estudos geológicos e registros de monitoramento no mundo todo apontam, sem margem de dúvida, que o tsunami foi causado pelo choque no deslocamento das placas tectônicas da Índia e da Birmânia

– Situada sobre a fronteira dessas placas, a região constantemente sofre com abalos sísmicos e ondas gigantes. Há uma predisposição natural

– Horas antes de a onda gigante se formar, moradores relataram a fuga de animais para o interior do continente, que só teria acontecido devido à sua sensibilidade em reconhecer os mínimos tremores de terra

– Além de não haver registros de vazamento de petróleo na região nessa época, nunca houve casos documentados de perfurações petrolíferas que causaram terremotos

– Em um comunicado oficial, a Marinha dos EUA afirmou que a base Diego Garcia foi protegida pela topografia do oceano profundo no local. Especialistas também atestaram que os maiores estragos aconteceram próximo à costa norte de Sumatra, e não à sul, onde fica a base

– Não há registro de submarinos dos EUA perdidos em 1978. Além disso, não havia motivos geopolíticos para que eles navegassem ou ficassem no Oceano Índico na década de 1970

– Para os cientistas, as ondas emitidas pelo Haarp não são capazes de influenciar o clima e acabam sendo absorvidas de forma imperceptível pela estratosfera


CONSULTORIA Ideval Souza Costa, geólogo do Departamento de Geologia da Universidade de São Paulo

FONTES Sites Telegraph, Al Jazeera, Indian Daily e BBC

Visto em: Mundo Estranho


1 - Lente macro

Bem, se você pretende tirar fotos surpreendentes mas não conta com um bom equipamento, pode utilizar um recurso muito simples. Para obter uma lente macro usando apenas a câmera do seu celular, tudo que precisa é de uma gota d'água. Posicione-a sobre a lente, e vire o celular com cuidado para registrar o momento. Dependendo de como é sua câmera, a gota não cai e é possível fazer fotos impressionantes.

2 - Fotos de baixo d'água

E se sua intenção for fazer uma foto aquática, mas seu celular não permite isso, por que não improvisar? Usando a criatividade é possível fazer uma bolsa plástica e proteger seu aparelho da água. Basta ter cuidado com o tipo de fechamento que você irá utilizar. Em todo caso, existe no mercado algumas bolsas próprias para essa função, que deixam seu celular completamente seguro.

3 - Luz noturna

A lanterna de um celular geralmente resolve nos problemas de iluminação. O único porém é que ela costuma ser muito forte, atrapalhando a visão quando faz um contato mais próximo. Então por que não se aproveitar de uma facilidade para produzir uma luz mais amena e aconchegante? Para isso, basta uma garrafa plástica transparente e cheia de água. Ligue a lanterna de seu aparelho e apenas coloque a garrafa sobre o celular. Dessa forma, a luz se dissipa pela água, ficando mais suave e agradável.

4 - Selfie sem as mãos

As vezes, uma selfie ideal é aquela em que ninguém segura o celular. Não seria legal se tivesse uma maneira de fazer isso? Bem, o que pouca gente sabe é que existe um forma muito simples de fazer isso usando seus fones de ouvido. Para isso, basta apoiar o celular no local pretendido, até mesmo um suporte de papelão pode servir para isso. Para capturar a imagem, é preciso apenas apertar o botão do fone. Simples e prático, não é mesmo?

5 - Projetor

Existem algumas formas de transformar seu celular em projetor, sem nem mesmo precisar de cases especiais pra isso. Uma delas é bastante simples e pode ser construída em apenas 10 minutos. Tudo que você precisa como itens principais, é de uma caixa de sapatos e a lente de uma lupa.Você pode pintar o interior da caixa de preto, para dar maior contraste. Fixe a lente na parte externa, e faça um suporte para o apoio do celular por dentro da caixa. Acima você pode encontrar um vídeo que explica melhor o processo. Embora esteja em inglês, é possível entender perfeitamente bem apenas observando as imagens. Você também tem a opção de traduzir o idioma automaticamente para o português. Dá uma olhada!

6 - Jogo escondido

Os aparelhos Android sempre contam com alguns incríveis "easter eggs", que ficam escondidos em seu sistema. Normalmente, são jogos referentes à verdão Android presente em seu celular. Para acessá-los, basta ir em Configurações Sobre o telefone. Em seguida, dê rápidos cliques em cima do botão versão do Android. Após isso, aparecerá em sua tela uma imagem referente ao símbolo da versão. Depois de novos cliques rápidos nessa tela, o jogo aparece... Legal, não é mesmo?

7 - IMEI

Normalmente, o IMEI (número único de identificação global para seu aparelho) está presente na caixa em que ele veio. É por meio desse número que conseguimos inutilizar o celular caso ele seja roubado. Acontece que muitas pessoas acabam jogando as caixas fora e acreditam que nunca mais conseguirão saber qual era o seu número de série. É muito fácil resolver o problema. Basta digitar o seguinte em seu discador: *#06#. Dessa forma, o IMEI aparecerá imediatamente. É sempre bom tê-lo anotado em algum lugar seguro!
E então pessoal, o que acharam? Já conheciam algum desses itens? Conhecem outras coisas legais que podemos fazer com o celular e pouca gente sabe? Compartilhem com a gente aí pelos comentários!
Visto em: fatos desconhecidos
Crédito(s): Via   Adme / Gizmodo  
Imagens Blog Sony Upsocl Adme Pexels Mercado Livre How Cool Brands TechBuilder


Aprender a lidar com as dificuldades da vida faz parte do nosso desenvolvimento, mas é preciso tomar alguns cuidados com as soluções adotadas, especialmente no caso das crianças.


O estresse é uma resposta fisiológica a uma situação adversa. Quando produzido, desencadeia mudanças químicas no nosso corpo, que afetam os sistemas imunológico, endócrino e neurológico.

O Centro de Desenvolvimento da Criança da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, cita três tipos diferentes de resposta ao estresse: positiva, tolerável e tóxica, dependendo do efeito que essa reação tem sobre o corpo.

Mas enquanto as duas primeiras fazem parte do desenvolvimento normal de uma criança, a terceira é prejudicial.

Quando o estresse é tóxico?
A resposta tóxica ao estresse pode ocorrer quando uma criança vivencia uma dificuldade forte, frequente e prolongada, sem apoio adequado de um adulto.

Entre os exemplos, estão negligência, abuso físico ou emocional, exposição à violência, vício em drogas, problemas mentais ou uma elevada carga de pobreza.

Uma mãe com depressão profunda, que não pode cuidar do seu bebê, ou pais alcoólatras ou viciados em drogas, que não se dedicam aos seus filhos, podem fazer com que a criança entre em um estado permanente de estresse, considerado tóxico. E isso pode gerar repercussões por toda a vida, segundo especialistas.

Quanto mais adversas são essas experiências na infância, maior é a probabilidade de a criança vir a apresentar atrasos no desenvolvimento e problemas de saúde, como cardiopatias, diabetes, abusos de drogas e depressão, além de dificuldade de adaptação.

Diante do estresse, o corpo e o cérebro ficam em alerta: produzem adrenalina, aumentam a frequência cardíaca e liberam mais hormônios, como o cortisol. Depois de um certo tempo, é esperado que a resposta se atenue, e o corpo volte ao estado natural.

Isso ocorre quando a situação de alarme diminui ou, no caso de uma criança, depois do consolo de um adulto. Mas se esse consolo não ocorre, a resposta se mantém constantemente ativa, inclusive quando já não existe um perigo aparente.

Quais são os danos?
Esse tipo de resposta prolongada ao estresse é considerada tóxica porque pode saturar o cérebro da criança e interromper o seu desenvolvimento, especialmente durante os períodos mais sensíveis do crescimento infantil.


"Nas áreas do cérebro dedicadas a aprendizagem e razão, as conexões neurais que formam a arquitetura cerebral são mais fracas e escassas", segundo o centro de Harvard. "A ciência demonstra que a atividade prolongada dos hormônios do estresse na infância pode diminuir as conexões neurais nessas importantes zonas do cérebro, precisamente em um momento em que deveriam formar conexões novas."

O estresse tóxico resulta em desregulação do sistema imunológico, que aumenta o risco e a frequência das infecções entre as crianças, afirmou o pediatra Hillary Franke, do Centro de Medicina Integrada da Universidade do Arizona.

Os especialistas também acreditam que o estresse tóxico tem um papel no desenvolvimento de transtornos depressivos, problemas de comportamento, transtorno de estresse pós-traumático e psicose.

Adultos que sofreram estresse tóxico na infância também podem experimentar mais doenças físicas e serem mais suscetíveis a alcoolismo, obstrução pulmonar crônica, depressão, câncer, obesidade, maiores tentativas de suicídio, cardiopatia "e uma miríade de outras patologias", segundo Franke, em estudo de 2014.

Se por um lado não é possível acabar com as causas do estresse infantil, como pobreza, abuso e negligência, por outro é possível apoiar as famílias para estabelecerem relações seguras e estáveis entre adultos e crianças.

As pesquisas feitas até agora mostram que estabelecer uma relação de apoio estável, com adultos envolvidos no bem-estar da criança em sua idade mais tenra, possa prevenir e reverter o danos do estresse tóxico.

Fonte: BBC

Howard Phillips Lovecraft, ou simplesmente e como é mais conhecido, H. P. Lovecraft nasceu em Providence, Rhode Island, em  20 de agosto de 1890.


Lovecraft foi um escritor americano que revolucionou o gênero de terror, atribuindo-lhe elementos fantásticos típicos dos gêneros de fantasia e ficção científica.

Lovecraft originou o ciclo de histórias que, posteriormente, foram agrupadas no Cthulhu Mythos e o grimório fictício conhecido como Necronomicon, através do qual os seres humanos em suas histórias se comunicam com o panteão de entidades criadas pelo autor. 

Seu estilo literário emprega arcaísmos, vocabulário e ortografia marcadamente britânicos, fato que contribui para aumentar a atmosfera de suas histórias, como no conto O Caso de Charles Dexter Ward, que contêm referências a personagens que viveram antes da independência das Treze Colónias, bem como a estabelecimentos comerciais existentes entre os séculos XVII e XVIII.


Lovecraft chamava seu princípio literário de "cosmicismo" ou "terror cósmico", pelo qual a vida é incompreensível ao ser humano e o universo é infinitamente hostil aos seus interesses.

Lovecraft era o único filho de Winfield Scott Lovecraft, negociante de joias e metais preciosos, e Sarah Susan Phillips, oriunda de uma família notória.

Winfield e Sarah casaram-se numa idade relativamente avançada para a época. Quando Lovecraft tinha três anos, seu pai sofreu uma aguda crise nervosa que o deixou com profundas sequelas, obrigando-o a passar o resto de sua vida em clínicas de repouso.

Assim, ele foi criado pela mãe, pelas duas tias e pelo avô, Whipple van Buren Phillips. Lovecraft era um jovem prodígio que recitava poesia aos dois anos e já escrevia seus próprios poemas aos seis.
Lovecraft era uma criança constantemente doente.

Seu avô morreu em 1904, o que levou a família a um estado de pobreza, devido à incapacidade das filhas de gerirem seus bens. A família foi obrigada a se mudar para acomodações menores e insalubres, o que prejudicou ainda mais a já débil saúde de Lovecraft.

Durante a juventude, Lovecraft dedicou-se a escrever poesia, mergulhando na ficção de terror apenas a partir de 1917. Em 1917, publicou seu primeiro trabalho profissional: o conto Dagon, na revista Weird Tales.

Lovecraft trabalhou como jornalista por um curto período, durante o qual conheceu Sonia Greene, com quem viria a casar. Ela era uma judia natural da Ucrânia, oito anos mais velha que ele, o que fez com que sua tias protestassem contra o casamento.

O casamento durou poucos anos e, após um divórcio amigável, Lovecraft regressou a Providence, onde moraria até morrer.

Seus últimos anos de vida foram bastante difíceis. Em 1932, sua amada tia Lillian Clark, com quem ele vivia, faleceu. Lovecraft mudou-se com Annie Gamwell, sua outra tia e companhia remanescente, para uma pequena casa alugada, que se situava atrás da biblioteca John Hay. 

Para sobreviver, considerando-se que seus próprios textos aumentavam em complexidade e número de palavras, dificultando as vendas, Lovecraft apoiava-se como podia em revisões e ghost-writing de textos assinados por outros, inclusive poemas e não-ficção. Em 1936, a notícia do suicídio do seu amigo Robert E. Howard deixou-o profundamente entristecido e abalado. 

Nesse ano, a doença que o mataria (câncer no intestino) já avançara o bastante para que pouco se pudesse fazer contra ela. Pelos meses seguintes, Lovecraft aguentou dores cada vez mais crescentes, até que, a 10 de março de 1937, viu-se obrigado a internar-se no Hospital Memorial Jane Brown. Ali morreria cinco dias depois. Contava então 46 anos de idade.


Top 5 obras importantes de H. P. Lovecraft: 

O Inominável - Um dos contos que melhor define a obra Lovecraftiana no geral, as definições e conceitos apresentados aqui permeiam toda a obra do autor.

O Medo à Espreita - O melhor conto de horror “tradicional” de Lovecraft, mas mesmo usando de inúmeros clichês, H.P. deixa seu clássico final em aberto que nos deixa encucados, não com a história de terror contada, mas sim as consequências que as descobertas feitas nela podem trazer.

Dagon - Provavelmente o conto mais importante do escritor, aqui vemos todas as características que se mantiveram por toda sua obra, e é impressionante sendo que esse é seu primeiro conto profissional.

O Chamado de Cthulhu - O conto mais icônico de Lovecraft, mas não é injusto dizer que já não causa o mesmo impacto da época em que foi lançado, então não espere algo assustador, isso é uma das coisas que acaba levando muitas pessoas a não gostarem do escritor, esperam algo assustador e que perturbe, mas se decepcionam.

Nas Montanhas da Loucura - Tido por muitos como a Magnum Opus do escritor, devo dizer que, pelo menos em relação aos “Mitos de Ctchulhu” isso é um fato, caso não saibam, é a mitologia criada com base nas obras de H.P. Lovecraft que dizem respeito aos Grandes Deuses Antigos, que dominaram o mundo a milhões de anos atrás, e que podem retornar a qualquer momento.

Nessa obra, diferente das outras de Howard, a sutileza é deixada de lado, e vemos, de cabo a    rabo, toda a trajetória dessas criaturas em nosso universo, em uma história extremamente criativa que mistura elementos de ficção, com fantasia e, claro, o terror.

Filmes que abordam o universo criado por Lovecraft:

O Castelo Assombrado - (The Haunted Palace, 1963), de Roger Corman, com Vincent Price, Debra Paget, Lon Chaney Jr., Elisha Cook Jr. Baseado na novela O Caso de Charles Dexter Ward (The Case of Charles Dexter Ward).

Morte Para um Monstro - (Die, Monster, Die!, 1965), de Daniel Haller, com Boris Karloff, Nick Adams, Freda Jackson, Patrick Magee, Paul Farrell. Baseado no conto A Cor Que Caiu do Espaço (The Colour Out of Space).

Re-Animator - (Re-Animator, 1985), de Stuart Gordon, com Jeffrey Combs, Bruce Abbott, Barbara Crampton. Baseado no conto Herbert West, Re-Animator (Herbert West, Re-Animator).

Do Além - (From Beyond, 1986), de Stuart Gordon, com Jeffrey Combs, Barbara Crampton, Ted Sorel. Baseado no conto Do Além (From Beyond).

O Chamado de Cthulhu - (The Call of Cthulhu, 2005), de Andrew Leman, com Ramón Allen Jr., Leslie Baldwin, Daryl Ball, David Mersault, Noah Wagner. Baseado no conto O Chamado de Cthulhu (The Call of Cthulhu).
Média metragem, preto e branco e mudo. Apesar de feito em 2005, foi feito pra parecer antigo, da época do cinema mudo. É considerado pelos fãs a melhor adaptação de Lovecraft já feita.

À Beira da Loucura – (In the Mouth of Madness, 1994), de John Carpenter, com Sam Neill.
Não é baseado especificamente em nenhum dos seus contos em particular, mas é como se fosse uma bela homenagem ao autor, pegando um pouco de cada uma de suas mitologias e criando um roteiro terrivelmente assustador, que coloca a humanidade em xeque, sucumbindo contra uma poderosa força que vivia adormecida na terra, até recobrar a consciência e resolver reivindicar o que é seu por direito.
O investigador John Trent (Sam Neill) é contratado para achar Sutter Cane (Jürgen Prochnow), um escritor de histórias de terror que, após terminar seu último livro, misteriosamente desapareceu. Mesmo desconfiando que isso não passa de uma jogada publicitária, aceita o trabalho. Passa a ler seus livros, procurando pistas da cidade onde Cane possa estar escondido, mas estes livros são macabros e, após sua leitura, as pessoas agem de um modo bem estranho.


The Rake, segundos alguns descrevem, trata-se de uma criatura assustadora, com características humanoides. O Rake possui olhos completamente negros, e uma aparência lisa e sem pelos por toda a extensão do corpo. 

Muitos dos relatos destes supostos avistamentos do ser são provenientes de regiões rurais americanas, onde pessoas, completamente aterrorizadas, afirmam terem tido a infelicidade de cruzar com o ser.

De acordo com a lenda, pessoas que se encontram acidentalmente com o Rake são vítimas de uma morte dolorosa (após algum tempo de sofrimento). Ele geralmente aparece durante a noite em locais sombrios e pouco habitados. Quando ele aparece para a sua vítima, ele a encara com seus olhos negros e sua aparência assustadora, causando um terror psicológico tão grande que a maioria das vítimas sequer conseguem se mover.

Durante o verão do ano 2003 no nordeste dos EUA, essa estranha e demoníaca criatura foi avistada e causou pânico em pequenas cidades e um grande alvoroço na mídia sensacionalista. Os primeiros relatos de avistamento da criatura vem da área rural do estado de Nova Iorque. Também houve registros da criatura macabra em Idaho onde, supostas testemunhas afirmaram que conseguiram fugir do terror e dos terríveis ataques do demônio.

Eventualmente, o Rake mata e estripa a vítima com suas garras longas e se alimenta dos órgãos internos. Aqueles a quem o Rake não mata, são levados à loucura e geralmente acabam se matando.
Claro que o Rake foi inventado e não passa de uma lenda urbana. Em 2005, um grupo de usuários do fórum 4chan iniciaram um tópico intitulado "hey, vamos fazer um novo monstro". Logo, a criatura inventada tornou-se uma “creeppasta” amplamente disseminada na web.

O que é uma Creepypasta?

É um termo da internet que define uma história curta ou coleção de histórias com elementos paranormais, bizarros, ou ambos, designados para chocar ou causar desconforto emocional ao leitor. 

Resumidamente: são lendas da Internet.

Dentre as várias formas de tragédia, a mais complicada, dolorosa e que causa mais danos é através do fogo.
Um incêndio pode se espalhar com muita rapidez e causar muitas perdas, não só pela combustão e consequente deterioração física, seja de seres vivos ou patrimonial, como também por asfixia pela fumaça gerada.


Nº 5 Edifício Andorinha, Rio de Janeiro (RJ)
Este grave incêndio aconteceu em 17 de fevereiro de 1986 aonde o prédio comercial conhecido como “Andorinha“ pegou fogo por causa de um curto-circuito. Sem equipamentos para os bombeiros trabalharem e sem água, o acidente deixou 23 pessoas mortas.


Nº 4 Lojas Renner, Porto Alegre (RS)
O incêndio da loja ocorreu em 27 de abril de 1976, por causa de um curto-circuito no setor de eletrodomésticos, e matou cerca de 41 pessoas. O prédio de sete andares não tinha um terraço apropriado e por isso não foi possível realizar o resgate por helicópteros. Muitas pessoas acabaram se jogando do alto por não terem outra alternativa.


Nº 3 Edifício Joelma, em São Paulo (SP)
O “Edifício da Bandeira“, como é chamado hoje, pegou fogo no dia 1º de fevereiro de 1974. Fruto de um curto-circuito no ar condicionado, o incêndio deixou 187 pessoas mortas, a maioria trabalhadores do Banco Crefisul, que tinha sede no prédio. O edifício carrega a fama de mal-assombrado até hoje.


Nº 2 Boate Kiss, em Santa Maria (RS)
Foi em 27 de janeiro de 2013 em que 242 pessoas morreram asfixiadas devido a um incêndio que aconteceu na Boate Kiss. O acidente foi causado pelo uso de um sinalizador da banda Gurizada Fandangueira, que fazia show no dia, e queimou a espuma sintética do teto da casa, que também tinha várias irregularidades, como apenas uma porta de saída, por exemplo.


Em primeiro lugar nós temos o mais terrível incêndio já ocorrido no Brasil.


Gran Circus Norte-Americano, em Niterói (RJ)
Este é o mais grave incêndio ocorrido no Brasil, não pela proporção, mas por conta do alto número de vítimas fatais.
O incêndio aconteceu em 17 de dezembro de 1961, dois dias após a estreia do circo. A lona do local pegou fogo e matou mais de 500 pessoas, das quais 70% eram crianças. O acusado pelo incidente foi Adilson Marcelino Alvez, conhecido como Dequinha, e mais dois comparsas, que agiu por vingança após ter sido demitido.

Youtuber cimenta a cabeça em micro-ondas e precisa ser resgatado por bombeiros

O youtuber Jay Swingler, de 22 anos, precisou ser resgatado por cinco bombeiros após cimentar
sua cabeça em um micro-ondas para um desafio. De acordo com um portal britânico de notícias, a intenção do jovem e de seu grupo de amigos era usar o eletrodoméstico como um molde, porém, a ideia parece que não deu muito certo


O caso aconteceu na última quarta-feira (6) no Reino Unido, quando Swingler protegeu sua cabeça com um saco plástico, que contava com um tubo de ar, e cobriu toda a “engenhoca” com a mistura de cinco sacos de cimento. Tudo parecia correr bem, porém, quando o youtuber colocou sua cabeça dentro do micro-ondas, percebeu que não conseguiria retirá-la dali tão cedo.

Seus amigos passaram cerca de uma hora e meia tentando libertá-lo da situação e, sem sucesso, decidiram pedir ajuda ao corpo de bombeiros local, o West Midlands Fire Service. Enquanto esperavam a chegada dos bombeiros, fizeram a única coisa ao alcance para ajudar o amigo em apuros:
Alimentar o tubo de ar conectado à sacola plástica.

Os bombeiros levaram cerca de uma hora para libertar o youtuber.

"Por mais engraçado que possa parecer, esse jovem poderia facilmente ter sufocado ou ter se machucado com gravidade", afirmou o comandante Shaun Dakin, responsável pelos bombeiros da região de West Midlands.

"Ele ficou muito aliviado quando removemos um grande pedaço da massa corrida com uma chave de fenda, permitindo que respirasse com mais
facilidade. Mas precisamos ser extremamente cuidadosos com a chave de fenda, trabalhando tão perto da cabeça dele", completou.


1 - Monstro do Lago Ness


No ano de 1933, uma foto bastante estranha foi registrada. Nela, havia uma criatura no Lago Ness, Escócia, que se parecia muito com um dinossauro, no entanto, ninguém foi capaz de explicar do que realmente se tratava. A foto foi enviada para o site Daily Express, do Reino Unido e a partir daí, ganhou grande popularidade. É bem provável que você há tenha escutado falar no "Monstro do Lago Ness".

Desde a época, viajantes do mundo todo vão até o local para se aventurar na busca pela criatura. O primeiro avistamento relatado foi escrito no século 6, em "Vida de São Columba", escrito por Adamnan, um monge irlandês. Ele conta que viu alguns homens enterrando uma pessoa nas proximidades do Lago Ness. Quando questionou o que havia acontecido, obteve como resposta que a pessoa havia sido morta por uma criatura desconhecida enquanto nadava. A partir daí a lenda se tornou ainda mais popular. Um dos mais temidos monstros aquáticos.


2 - Abominável Homem das Neves


Com certeza você também já escutou a lenda. Segundo ela, a criatura vaga pelas terras frias do Nepal e Tibete. Também conhecido como Yeti, poderia ser uma espécie de "homem das cavernas gigante". Aqueles que alegam ter visto um desses monstros, afirmam que possui cabelos cinzas acastanhados e possuem alguns metros de altura.

O primeiro avistamento foi feito pelo coronel Charles Howard Bury, no ano de 1921. Enquanto fazia uma expedição, encontrou pegadas que supostamente, pertenciam ao Homem das Neves. De acordo com a lenda, muitos povos adoravam uma "besta tão alta como uma geleira", em forma de deus da caçada. Tribos do Himalaia também chegaram a mencionar a presença de um homem parecido.


3 - Pé Grande


Com certeza o Pé Grande é um dos monstros que mais fez a cabeça de pessoas do mundo inteiro. Segundo o que a lenda diz, a criatura deve ter seus 3 metros de altura, com pelos vermelhos acastanhados. De acordo com as pessoas que dizer já ter visto, ele ainda cheira muito mal e possui um grito extremamente sinistro.

Por incrível que pareça, cerca de 900 pegadas já foram registradas com indícios de pertencerem a um pé grande. Será que realmente existe? Bom, talvez nunca saibamos a verdade!


4 - O Chupa-cabra


E este´é um dos monstros que mais aterrorizou crianças pelo mundo. O primeiro avistamento da criatura aconteceu em Porto Rico. Pouco tempo depois, passou a acontecer por todas as Américas. No ano de 1995, cerca de 8 ovelhas foram encontradas sem vida em Porto Rico. O que mais assustou é que todas estavam completamente sem sangue em seus corpos falecidos. Como se não bastasse, todas possuíam feridas características de uma mordida.

Inicialmente, pensava-se que tudo poderia ser parte de rituais macabros que aconteceram na região. No entanto, mais e mais animais começaram a morrer da mesma forma. Foi aí que a lenda do chupa-cabra teve início. Segundo aqueles que dizem ter visto o monstro, ele possui aparência parecida com a de um réptil com escamas, e afiadas espinhas nas costas.


5 - Kraken


Assim como o monstro do Lago Ness, o Kraken também é um dos maiores e mais famosos monstros habitantes das águas. Provavelmente você já deve ter ouvido falar deste também. Bom, por mais que esteja na categoria de lenda, existe uma real possibilidade de que a criatura exista.

De acordo com o que diz a história, o monstro é uma criatura gigante com aparência semelhante a um polvo, com enormes tentáculos e que engolia navios em questão de segundos. Por muito tempo navegantes permaneceram assustados e com medo. Bom, pode ser que algum lugar nos mais profundos mares, o Kraken realmente viva.


6 - Vampiros


Acredita-se que a primeira história de vampiros tenha surgido na mitologia grega. Um jovem teria se apaixonado por uma moça ao visitar o templo de Apolo, deus do Sol. Pediu que ela se casasse com ele, no entanto, Apolo a queria para si. Desta forma, amaldiçoou o rapaz, fazendo com que a pele dele se queimasse caso ficasse exposto ao sol. Perturbado, o jovem teria procurado pelo deus do submundo, Hades, em busca de ajuda.

Fizeram um acordo em que seria necessário roubar o arco de prata da deusa da caça, Artemis. Porém, o jovem teria sido pego e novamente amaldiçoado. Desta vez, caso ele tocasse em qualquer objeto de prata, sofreria de uma agonia extrema. Mais  tarde, o deus acabou sentindo pena do rapaz, lhe dando imortalidade, presas para caçar e força sobre-humana. A partir daí, a lenda foi adaptada em várias culturas, até a mais conhecida versão escrita por Bram Stoker. Por muito tempo, vampiros se tornaram monstros bastante temidos.


7 - Lobisomens


Lobisomem ou licantropo (do grego λυκάνθρωπος: λύκος, lykos, "lobo" e άνθρωπος, anthrōpos, "homem"), é um ser lendário, com origem na mitologia grega, segundo as quais, um homem pode se transformar em lobo ou em algo semelhante a um lobo em noites de lua cheia, só voltando à forma humana ao amanhecer.

Tais lendas são muito antigas e encontram a sua raiz na mitologia grega. Segundo As Metamorfoses de Ovídio, Licaão, o rei da Arcádia, serviu a carne de Árcade a Zeus e este, como castigo, transformou-o em lobo (Met. I. 237).Uma das personagens mais famosas foi o pugilista arcádio Damarco Parrásio, herói olímpico que assumiu a forma de lobo nove anos após um sacrifício a Zeus Liceu, lenda atestada pelo geógrafo Pausânias.

Segundo lendas mais modernas, para matar um lobisomem é preciso acertá-lo com artefatos feitos de prata.

O Licantropo dos gregos é o mesmo que o Versipélio dos romanos, o Volkodlák dos eslavos, o Werewolf ou Dracopyre dos saxões, o Werwolf dos alemães, o Óboroten dos russos, o Hamtammr dos nórdicos, o Loup-garou dos franceses, o arbac-apuhc da Península Ibérica, o Lobisomem dos brasileiros e da América Central e do Sul, com suas modificações fáceis de Lubiszon, Lobisomem, Lubishome; nas lendas destes povos, trata-se sempre da crença na metamorfose humana em lobo, por um castigo divino.


Lenda brasileira

Luison, o Lobisomem segundo a Mitologia guarani.
No Brasil existem muitas versões dessa lenda, variando de acordo com a região. Uma versão diz que a sétima criança em uma sequência de filhos do mesmo sexo tornar-se-á um lobisomem. Outra versão diz o mesmo de um menino nascido após uma sucessão de sete mulheres. Outra, ainda, diz que o oitavo filho se tornará a fera. Outra já diz que é apos a morte de um familiar que possuía a aberração e passou de pai pra filho, avô pra neto e assim por diante.


Em algumas regiões, o Lobisomem se transforma à meia noite de sexta-feira, em uma encruzilhada. Como o nome diz, é metade lobo, metade homem. Depois de transformado, sai à noite procurando sangue, matando ferozmente tudo que se move. Antes do amanhecer, ele procura a mesma encruzilhada para voltar a ser homem.

Em algumas localidades diz-se que eles têm preferência por bebês não batizados. O que faz com que as famílias batizem suas crianças o mais rápido possível. Já em outras diz-se que ele se transforma se espojando onde um jumento se espojou e dizendo algumas palavras do livro de São Cipriano e assim podendo sair transformado comendo porcarias até que quase se amanheça retornando ao local em que se transformou para voltar a ser homem novamente. No interior do estado de Rondônia, o lobisomem após se transformar, tem de atravessar correndo sete cemitérios até o amanhecer para voltar a ser humano. Caso contrário ficará em forma de besta até a morte. 


4 monstros brasileiros

Pisadeira, a nossa bruxa


Tal qual o Freddy Krueger, a Pisadeira atormenta as pessoas que estão dormindo, influenciando os seus pesadelos. Sempre que você tiver um pesadelo, saiba que é a Pisadeira sentada em seu peito e o sufocando durante a noite.

A Pisadeira mais famosa por aqui é conhecida como Diabinho (ou Fradinho) da Mão Furada. Só quando acordamos é que ela vai embora. 

Corpo Seco, a nosso zumbi


O Corpo-Seco foi um homem tão maligno que, ao morrer, foi abandonado por todos. Nem Deus, nem o diabo, nem a terra e nem os vermes o quiseram. Tudo que restou ao renegado foi vagar pela terra como uma espécie de morto-vivo na calada da noite. Chupa, The Walking Dead. 

Janaí, o nosso vampiro


Um ser que te ataca e suga o seu sangue pode parecer familias, mas o Janaí está longe de ser um vampiro comum. Ao invés de capas e castelos, o nosso ser vive na floresta e é um macaco de olhos e cabelos vermelhos. Como se isso não bastasse, existe um agravante — Janaí prefere atacar criancinhas. 

Gunucô, o nosso fantasma


Esta entidade já foi um ser vivo e agora realiza aparições pontuais uma vez por ano. Em suas manifestações, ele só é visto por quem está vestido com trajes especiais, como manda o ritual. A vantagem com relação ao fantasma é que o Gunucô é esperto – conversa, responde dúvidas e prevê o futuro. Ele também é responsável por guardar a floresta. 

Crédito(s): fatosdesconhecidos / mundoestranho / wikipedia
Imagens meramente ilustrativas: Google

tags: lenda, lendas, legend, mistério, mistérios, mystery, terror, horror, monstro, monstros, monster, folclore, loch ness, criatura, criptozoologia, cryptozoology, creature, bigfoot, yeti, voce sabia, você sabia, curiosidade, vídeo, viuakisite

14 direitos do consumidor que nem todo mundo conhece

O consumidor é amplamente amparado pela lei, basta conhecer e exercer o seu direito


O Código dos Direitos do Consumidor brasileiro é considerado um dos melhores do mundo. Descubra as leis que estão do seu lado quando você adquire um produto


1) Você não precisa comprar mais itens do que necessita
LEI Artigo 30 do Código dos Direitos do Consumidor

Sabe quando a cerveja vem num fardo com várias latas, mas você só precisa de algumas? Você pode levar essa parte, pagando o valor proporcional. Mas a chamada “venda fracionada” só pode ocorrer se a separação da sua parte preservar as informações obrigatórias do fabricante na embalagem e não comprometer a integridade do produto, tornando-o impróprio para o consumo.

2) Alguns defeitos podem ser consertados de graça mesmo após o período de garantia
LEI Artigo 26 do Código dos Direitos do Consumidor

“Vícios ocultos” são problemas que não são facilmente identificados e podem demorar anos para se manifestar em bens duráveis (como automóveis e eletrônicos). Se ele ocorrer, o consumidor tem até 90 dias para reclamar junto ao fornecedor, mesmo depois do período da garantia. O problema é comprovar um vício oculto – já que é o fornecedor quem define a vida útil do produto. Porém, como nem sempre há critérios objetivos para essa definição, um juiz pode analisar o caso e dizer se a mercadoria durou menos do que se esperava.

Dois preços diferentes: vale o menor valor

3) Dois preços diferentes? Vale o menor
LEI Artigo 5 da lei federal nº 10.962/04

Às vezes, supermercados têm prateleiras bagunçadas, em que o produto nem sempre está próximo à sua etiqueta de preço. Isso é um problema grave. O estabelecimento jamais pode confundir o consumidor ou induzi-lo ao erro. Os valores precisam estar bem localizados. Caso haja dois preços registrados para uma mesma mercadoria, o consumidor pagará o menor deles. Outra informação importante: não há lei que garanta que, na ausência de preço, o produto pode ser levado de graça. Mas, se esse erro for frequente, a loja pode ser multada.

4) Quando não há troco, o problema é da loja
LEI Artigo 39, incisos I e II do Código dos Direitos do Consumidor

Você vai comprar algo de R$ 9,70 e só possui uma nota de R$ 10. O vendedor não tem moedas. E agora? Quem tem que resolver a situação é ele. Considera-se prática abusiva impor a substituição por mercadorias equivalentes (a famosa “balinha”), arredondar o valor para cima ou se negar a fornecer o serviço. Também é errado limitar o valor máximo do troco, uma prática comum em terminais de transporte público, como metrô e ônibus. Em teoria, o passageiro poderia usar o serviço sem pagar – embora o Procon peça que todos ajam com “bom senso” em situações desse tipo. Alguns estados estão tentando implantar uma lei que limita o troco só até R$ 50.

5) Você não pode ser obrigado a adquirir uma mercadoria para levar outra que realmente quer
LEI Artigos 6, inciso II, e 39, inciso I, do Código dos Direitos do Consumidor

Essa prática, chamada de “venda casada”, nem sempre é fácil de identificar. Ela pode ser vista, por exemplo, nos “combos” das empresas de telefonia (TV por assinatura + telefone + internet, por exemplo). Os três serviços precisam estar disponíveis individualmente – mas a empresa tem direito de cobrar mais caro por eles separadamente, tornando o “kit” mais vantajoso. Outro exemplo famoso de venda casada “secreta”: um cinema não pode proibir a entrada de comida comprada em outros lugares, forçando o frequentador a consumir em sua bombonnière. É uma prática abusiva que fere a liberdade de escolha.

Produtos que oferecem riscos à saúde devem ter isso informado de forma clara

6) Todo produto perigoso à saúde deve deixar isso claro
LEI Artigos 8 e 9, e 31 e 35 do Código dos Direitos do Consumidor

A regra vale para objetos com riscos óbvios, como facas e botijões de gás, mas também para outros que parecem inofensivos, como brinquedos (peças pequenas podem ser ingeridas, por exemplo) e TVs 3D (elas podem causar enjoo). O alerta tem que ser claro, adequado e incluído tanto na embalagem quanto na publicidade da mercadoria. Se a informação for sonegada, você pode exigir a substituição por outro produto de valor equivalente ou receber o dinheiro de volta.

7) Se você for viajar, não precisa pagar a internet da sua casa
LEI Resoluções 426, 477, 488, 614 e 632 da Anatel

É possível solicitar a suspensão temporária de serviços como internet, TV a cabo ou telefone e, consequentemente, a interrupção na cobrança da mensalidade. É uma garantia bastante útil para quem realiza longas viagens, por exemplo. O consumidor deve estar em dia com os pagamentos anteriores e poderá realizar a interrupção uma vez a cada 12 meses, por um período de 30 a 120 dias.

8) Alunos têm direito a terminar o ano letivo
LEI Lei federal 9870, artigo 6

Ih, a grana apertou e você (ou seu responsável) não conseguiu mais pagar a mensalidade da escola. Não importa o mês em: o aluno do ensino fundamental, médio ou superior não pode ser impedido de finalizar o ano ou semestre letivo vigente. O estabelecimento deve permitir que ele conclua o período e não pode aplicar penas pedagógicas, como impedir que façaprovas, reter documentos ou dificultar a transferência para uma instituição pública.

Compras online podem ser devolvidas

9) Se você comprou online e não gostou, pode devolver
LEI Artigo 49 do Código dos Direitos do Consumidor

Nossa legislação assegura o “direito ao arrependimento” sempre que você adquirir qualquer coisa fora de um estabelecimento comercial – por exemplo, via site, telefone ou catálogo. Quando o produto chegar na sua casa, você tem até sete dias para devolver e receber 100% do valor pago. E fique esperto: o fornecedor não pode exigir saber o motivo, cobrar taxas, reter qualquer valor ou exigir que o consumidor pague o custo do frete da devolução.

10) Cobrança indevida deve ser ressarcida em dobro
LEI Artigo 42, parágrafo único do Código dos Direitos do Consumidor

A gente imagina que, quando você paga, por engano, algum valor além do combinado (como em uma fatura errada), você exige seu dinheiro de volta. Mas sabia que pode pedi-lo em dobro? Na compra de um produto, você é quem deve comprovar que a cobrança foi indevida. Mas, na aquisição de um serviço em que nem sempre é possível obter evidências da infração, é o fornecedor quem deve provar que não houve dano. De acordo com o artigo 6, inciso 7, do CDC, caso ele não consiga, será presumido que a alegação do consumidor é verdadeira.

11) Em caso de desastre natural, você pode cancelar uma viagem e pedir reembolso
LEI Artigo 4 do Código dos Direitos do Consumidor

Imagine que você está num aeroporto e descobre que um furacão está destruindo a cidade para onde planeja ir. E agora? Arriscar a própria segurança ou perder a grana da viagem? Nem uma das duas: se você adquiriu a passagem e/ou a hospedagem com uma empresa brasileira, pode cancelar ou remarcar o serviço, sem taxas ou multas. Catástrofes naturais, epidemias ou atentados são imprevisíveis, então são incluídos como risco da atividade empresarial – ou seja, o ônus é do fornecedor. Caso ele não atenda à alteração pedida pelo consumidor, pode ser acionado na Justiça.

12) O estacionamento sempre é responsável pelos veículos
LEI Súmula nº 130 do STJ, artigo 14 do Código dos Direitos do Consumidor

Não adianta o estacionamento pendurar plaquinha dizendo que não se responsabiliza – ele sempre deverá ressarcir danos ao veículo ou a bens deixados dentro dele. Mesmo que o serviço seja gratuito! Em vagas de estabelecimentos comerciais, a regra só vale caso o dano ocorra enquanto o cliente estiver lá.

Sabia que se a ligação cair a próxima deve ser gratuita?

13) A ligação caiu? A próxima é gratuita
LEI Artigo 39-A da resolução nº 477 da Anatel

Algumas empresas de telefonia passaram a não cobrar por minutos, e sim por ligação. Mas logo alguns usuários perceberam um “truque”: seus telefonemas viviam caindo, forçando-os a realizar uma nova chamada (e, portanto, pagando novamente). Isso é ilegal. Ligações sucessivas em um intervalo inferior a 120 segundos feitas de um mesmo celular para um mesmo número devem ser consideradas uma única chamada e tarifadas apenas uma vez.

14) Em caso de overbooking, seu bem-estar é responsabilidade da companhia aérea
LEI Artigos 10, 11, 12, 13 e 14 da resolução 141/2010 da Agência Nacional de Aviação Civil; artigos 6 e 20 do Código dos Direitos do Consumidor; e artigos 186 e 927 do Código Civil

Muitas companhias aéreas praticam o "overbooking", mas nem sempre querem arcar com as consequências negativas

Overbooking” é a prática das empresas aéreas de vender passagens para mais pessoas do que o avião comporta. Se nenhuma delas cancelar o voo, faltarão lugares – e quem ficar de fora tem direito a várias compensações. Por exemplo:
– Reacomodação em outro voo da mesma empresa ou de outra, com o mesmo destino
– Reacomodação em outro voo, em data e horário conveniente ao passageiro
– Reembolso integral do valor do bilhete, assegurando o retorno ao aeroporto de origem
– Reembolso do valor do bilhete do trecho não utilizado
– Realização da viagem por outro meio de transporte
– Em atrasos acima de uma hora, acesso gratuito a telefone ou internet
– Em atrasos acima de duas horas, alimentação adequada
– Em atrasos acima de quatro horas, acomodação em local adequado, traslado e, quando necessário, serviço de hospedagem

Lei, artigo, inciso, resolução e súmula. Afinal, o que significam?


Qual a diferença entre lei, artigo e inciso?

Entenda os diferentes tipos de legislação

LEIS: São feitas pelo poder executivo (o Código de Defesa do Consumidor, por exemplo, é a Lei Federal nº 8.078/90)
ARTIGOS: São subdivisões das Leis
INCISOS: São subdivisões dos Artigos
RESOLUÇÕES: São regras estabelecidas por agências reguladoras de certos setores, como Anac (aviação civil) e Anatel (telefonia)
SÚMULAS: São elaboradas em Tribunais Superiores (como o Superior Tribunal de Justiça ou Supremo Tribunal Federal) para resolver controvérsias em leis que possam permitir múltiplas interpretações

Visto em: Mundo Estranho 
Crédito(s): CONSULTORIA Francine Delfino, advogada, Patrícia Alvares Dias, supervisora do Procon-SP
Fonte(s): Sites UOL, O Globo, G1, Mega Curioso e Procon
Imagens: google
Edição: ViuAkiSite

MKRdezign

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget